The body politic, as well as the human body, begins to die as soon as it is born, and carries itself the causes of its destruction.

                 Jean-Jacques Rousseau
 

O que vemos quando olhamos para um corpo? Que corpo? Container, retainer, declaimer. A imagética que nos distrai, nos confirma, nos dita a força da presença. A ideia da presença. Um percurso por várias ideias de presença, construindo pequenos momentos de exceção, que desaparecem rapidamente em busca do próximo, por entre o vazio e a fragilidade.

O aborrecimento é o que preenche os espaços entre momentos de efusão e partilha. O corpo-imagem destruído na solidão, a música sempre instável, indesejável, incapaz.

 

 

Agradecimentos: Bruno Senune, Diana Reis Cardoso, Flávio Rodrigues, Renata Portas, Rolando Galhardas, Sérgio Diogo Matias.

Building Strength